Search
Close this search box.

História

Um clube a favor da cidade de Cascavel, é com essa visão que a atual diretoria do Futebol Clube Cascavel busca utilizar o futebol como principal instrumento de desenvolvimento da cultura e da cidadania. “Nós queremos o time forte não só aqui, mas em todo o estado do Paraná. Imaginamos o clube com uma série de escolinhas. Eu acho que esse é o momento, a hora é agora. A cidade comprou a ideia!”, almeja o presidente Valdinei Silva, que junto com toda equipe, traçou metas bem definidas para o crescimento gradativo do clube, que até 2027 sonha chegar a uma Série A ou B do Campeonato Brasileiro.

Acreditando que toda grande caminhada precisa de um primeiro passo, foi elaborado um plano estratégico, que incluiu três frentes de trabalho. “Primeiro, uma turma cuidou para o time não cair para a segunda divisão do Paranaense. Outro grupo foi levantar modelos de negócios Brasil a fora: foram realizadas mais de 20 visitas técnicas em 2017. E a terceira parte da equipe ordenou a formatação jurídica do clube”, detalhou o presidente.

Inspirados em modelos de clube-empresa consolidados, os atuais gestores do FC Cascavel querem uma torcida respeitosa, que recebe bem os visitantes e que é bem recebida em outras cidades. “Queremos consolidar de vez a base, ter pelo menos duas revelações de valor ao ano, além de organizar o clube, torná-lo rentável financeiramente, e galgar posições nos campeonatos. Nossa intenção é ter um time ordeiro, competitivo, organizado, disciplinado e de preferência, campeão!”.

Foi em 16 de janeiro de 2008 que a história da Serpente Aurinegra começou, com a experiência da família Belletti, amante e tradicional no futebol, o clube iniciou as atividades, acreditando no potencial da cidade. A ideia surgiu em uma reunião entre os três irmãos Belletti: Sandro, Juliano e Patrick. “Pensávamos em abrir uma escolinha. Mas como queríamos estar filiados à Federação Paranaense, montamos o time para disputar as categorias de base apenas”, conta Sandro Belletti, que atuou na parte administrativa na época. 

O primeiro passo foi a escolha do nome: Futebol Clube Cascavel. Na sequência, veio a construção do Centro de Treinamentos. O desafio era que o time fosse reconhecido pela estrutura e pelo profissionalismo em uma época em que o futebol estava em baixa em Cascavel.

As ambições iniciais de atuar apenas nas categorias de base foram se expandindo à medida que a população e os empresários demonstravam vontade em ter uma equipe profissional. “No amador chegamos a jogar de igual pra igual com os grandes do Paraná. Disputamos em 2009 a terceira divisão e fomos vice-campeões com investimento baixíssimo. Nos outros dois anos, disputamos a segunda divisão com baixo investimento e o objetivo era não cair”, comenta.  Depois do Paranaense de 2011, a família Belletti resolveu se desvincular no projeto.

Em 2013, depois de um tempo sem atividades, o time da Serpente Aurinegra foi reiniciado e como muitas dificuldades tanto de recursos como de estrutura disputou a 3ª divisão do Campeonato Paranaense. Mesmo diante dos problemas enfrentados fora de campo, o time do Cascavel conseguiu bons resultados, garantindo o acesso para disputar a 2ª divisão da competição Estadual.

No ano de 2014, veio o primeiro título do clube, que subiu para disputar a elite do Paranaense. Desde então, o time vem se mantendo na 1ª divisão do estado, crescendo ano após ano e se destacando entre as principais equipes.

Mesmo após o acesso para a divisão principal, os rumos da recente história do clube só começaram a mudar em 2017, impulsionados por alguns fatores determinantes: paixão, seriedade, muito trabalho e profissionalismo.

Foi desta forma que um torcedor apaixonado e hoje presidente do FC Cascavel, Valdinei Silva, resolveu movimentar a cidade com a cultura do futebol ao reunir vários empresários locais com um único objetivo: criar um clube com gestão empresarial.

O desejo de criar um clube-empresa, com gestão e administração técnicas, que busca resultados expressivos para o bem comum de uma cidade, só se tornou realidade com a união de diversos empresários, que entenderam a importância e enxergaram a real possibilidade de tornar o Cascavel uma referência nacional quando o assunto é planejamento e resultados a curto, médio e longo prazo.

Fazendo uma retrospectiva, em 2015 a Serpente Aurinegra disputou seu primeiro Campeonato Paranaense na 1ª divisão, terminando na 8ª colocação geral; em 2016, no 9º lugar; em 2017, com a nova gestão, o resultado já foi melhor que os anos anteriores com a 7ª posição na classificação geral e, em 2018, o time foi o 8º melhor colocado na competição.

Para falar da temporada 2019 os primeiros frutos começaram a nascer para aqueles que pensaram diferente e ousaram criar um projeto moderno com um clube modesto. Esses frutos foram a classificação para as semifinais do 1º turno do Paranaense daquele ano, que foi disputado em outro formato com turno e returno.

Campanha esta que deu o 7º lugar geral da competição estadual, e por fim e mais importante, a vaga para disputar o Campeonato Brasileiro da Série D, possibilitando ao time de Cascavel a ter a primeira temporada de calendário cheio no ano de 2020.

Em apenas 3 anos da nova gestão, o FC Cascavel deixou de ser uma equipe que disputava apenas uma competição de seis meses, para se tornar um clube que agora poderia se planejar para uma temporada completa e um calendário maior.

Em 2020, mantendo a boa fase, a Serpente chegou à semifinal do Campeonato Paranaense, sua melhor campanha até então, o que lhe garantiu uma vaga para a Copa do Brasil do ano seguinte. Naquele ano, outra marca importante foi atingida: a segunda maior média de público do Estadual.

O time também teve uma boa participação em sua primeira competição nacional, ao passar pela fase de grupos da Série D do Brasileiro, finalizando sua campanha no primeiro mata-mata e na 18ª no geral de 64 times participantes. Se somadas as séries A, B e C, a equipe do Cascavel figurou na 78ª colocação nacional.

Mas se a temporada 2020 foi ótima, 2021 mostrou que a diretoria estava certa quando decidiu mudar a forma de gerir um time de futebol. A Serpente Aurinegra iniciou o ano se classificando para a 2ª fase da Copa do Brasil, ao vencer de virada o time do Figueirense.

Pelo Brasileiro da Série D, liderou seu grupo em boa parte da competição e novamente se classificou para o primeiro mata-mata, se despedindo do campeonato nacional ocupando a 16ª colocação geral, a 76ª melhor equipe do Brasil. Nesta saga foram 35 jogos, com 16 vitórias no ano, 15 empates e apenas 3 derrotas em toda a temporada.

No Paranaense, o time chegou ao vice-campeonato e forma invicta, com 17 jogos, 9 vitórias, 8 empates e nenhuma derrota. Foi o único que venceu também todas as grandes e tradicionais equipes do estado: Coritiba, Athletico Paranaense, Paraná e Operário.

Fora de campo, a diretoria do clube também deu outro show! Em três anos já foram vendidas mais de 160 mil camisas, todas elas a preços populares e acessíveis, iniciando em R$ 29,90. Só em 2020 foram mais de 60 mil unidades, e nesta temporada a marca já ultrapassa 50 mil camisas comercializadas.

A Serpente Aurinegra também se preocupou com a população de Cascavel, e está à frente de diversos projetos sociais, entre eles a Fábrica Cascavelense de Cidadão (FCC), que atende mais de mil crianças e adolescentes de 7 a 15 anos em seis escolinhas de futebol espalhadas pela cidade.

No projeto são distribuídos aos alunos os uniformes e calçados para a prática esportiva. Além disso, o clube também oferece aos atletas destaques uma oportunidade de integrar as categorias de base da equipe.

Tudo isso mostra que o novo modelo de gestão proposto pela diretoria atual estava certo. Atualmente, o Futebol Clube Cascavel é um dos poucos times no Brasil que possui todas as certidões negativas, realizando pagamentos em dia, sem dívidas e sem processos trabalhistas. A receita para se construir uma equipe com desejo de crescer vai muito além da bola no fundo da rede, das vitórias e do que é feito nas quatro linhas.